quarta-feira, 16 de abril de 2014

O PAÍS DE POPOZUDAS E SHEHERAZADES


Por Alexandre Figueiredo

Maniqueísmo fácil, esse o do Brasil. De um lado, o "cidadão de bem" que reclama da degradação sócio-cultural, da crise econômica, da corrupção estatal, incitando marchas moralistas para pedir a derrubada do atual governo. De outro, o "povo" que reclama do obscurantismo moralista, do rancor da mídia, da revolta das elites, incitando "rolezinhos" nos centros comerciais para pedir a derrubada da "sociedade organizada".

Vivemos o país de maniqueísmos fáceis, em que há, de um lado, o elitismo obscurantista, e, de outro, o populismo bregalizador. Não há um meio-termo nesse abismo que separa a aristocracia ilustrada e o populacho grotesco, e a própria intelectualidade dominante é, em parte, subproduto dessa visão maniqueísta que disputa, sob diferentes enfoques, o destino futuro de nosso país.

Se, na intelectualidade propriamente dita, temos o maniqueísmo em que, de um lado, ocorre o reacionarismo rancoroso de Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino e Merval Pereira, de outro há o populismo complacente de Pedro Alexandre Sanches, Paulo César Araújo e Hermano Vianna, todos disputando o monopólio da razão sem dar algo de positivo para a sociedade em geral.

Agora o maniqueísmo se dá entre duas supostas "feministas", sendo o reacionarismo representado por Rachel Sheherazade e o populismo por Valesca Popozuda. Rachel é uma Sarah Palin mais cafona, enquanto Valesca Popozuda encarna a versão brega da Lady Gaga.

Rachel quer o obscurantismo da sociedade "indignada" que prega contra a corrupção e a degradação social. Valesca quer a permissividade sócio-cultural que prega contra o moralismo e o preconceito. Parecem diferentes, mas são dois lados de uma só moeda, dois extremos de um mesmo abismo sócio-cultural.

O próprio SBT, o "palanque" das opiniões reacionárias de Rachel - que no entanto está "dispensada" de fazer seus comentários - já havia recebido Valesca Popozuda para participar de um game show, a emissora de Sílvio Santos é um dos cenários de encontro desses pontos de vista "diferentes".

Rachel havia repercutido negativamente por conta de um comentário em defesa da violência policial contra um adolescente pobre que havia cometido assaltos. Depois ela esteve associada à campanha pela organização da Marcha da Família ocorrida há dias em São Paulo.

Valesca é famosa pelos glúteos e peitos siliconados, e veio da corrente mais grotesca do "funk carioca", com seu grupo (vocalista e dançarinos) Gaiola das Popozudas. É associada à erotização grotesca e a um pseudo-ativismo supostamente feminista e tendenciosamente pró-liberdade sexual.

A funqueira tornou-se conhecida por conta de uma questão de prova escolar, numa escola pública de ensino médio em Brasília, que usou uma letra de um de seus sucessos para interpretação de texto. A questão causou repercussão negativa por ter definido Valesca como "grande pensadora contemporânea".

Aparentemente, no combate maniqueísta, Valesca se saiu "melhor" do que Rachel, devido ao pretexto de que aquela "combateu o preconceito" enquanto esta saiu como "defensora da truculência". Mas as duas saíram empatadas num país em crise que depende desse maniqueísmo sem qualquer outra opção em vista.

Isso porque as duas têm que se mexer na sua "liberdade de expressão". Rachel virou uma "leitora de teleprompter", e Valesca agora terá que remover até o silicone dos glúteos e dar uma mexida no seu som, se aproximando ao "funk comportado" da concorrente Anitta.

As pressões sociais de tudo quanto é lado fazem as duas diminuírem seus apetites de causarem polêmicas. Terão que moderar suas posturas, a graciosa Rachel contendo suas raivas reacionárias para não assustar o cidadão comum, a grotesca Valesca tentando melhorar até o porte físico para não constranger a alta sociedade.

Mais uma vez é o maniqueísmo que impera. A "boa" Valesca da "liberdade sexual" contra a "má" Rachel do "preconceito moralista". Ou a "boa" Rachel dos "bons costumes sociais" contra a "má" Valesca dos "desvios populares".

No fundo, ambas são a mesma coisa, cara e coroa de uma mesma moeda. O país até agora não ficou melhor com este e outros surtos maniqueístas, como os "urubólogos" contra intelectuais "bacanas" e as "marchas da família" contra os "rolezinhos". São apenas oposições feitas para desviar a opinião pública de outras questões a respeito dos verdadeiros problemas sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...