quarta-feira, 26 de março de 2014

TRANSAMÉRICA FM E SEU HUMOR ANTIQUADO E OFENSIVO


Por Alexandre Figueiredo

A decadente Rede Transamérica FM, de propriedade de um banqueiro, que no entanto passou boa parte da participação acionária para o "bispo" Edir Macedo, não conseguiu resistir aos tempos e hoje é apenas um fóssil radiofônico sem valor.

Para piorar, a emissora paulista, cabeça de sua rede de rádios, e seu humor antiquado e grotesco - espécie de Pânico da Pan com bolor - veio com uma peça bastante ofensiva, uma paródia do comercial institucional do Metrô de São Paulo, que diz que metrô lotado é "bom para xavecar".

"Nos horários de pico, é normal trem e Metrô ficar lotado. É assim também nas grandes metrópoles espalhadas pelo mundo. Pra falar a verdade, até gosto do trem lotado, é bom pra xavecar a mulherada, né, mano? Foi assim que eu conheci a Giscreuza. Muito já foi feito e o governo sabe que ainda tem muito pra fazer. Governo do Estado de São Paulo", diz um locutor, imitando a voz de um homem pobre estereotipado, chamado "Gavião".

O comercial foi veiculado numa época em que houve o aumento do número de denúncias de abusos sexuais cometidos dentro dos metrôs paulistanos, e causou péssima repercussão. Advertida, a Transamérica retirou o comercial e disse que "não aprovava o conteúdo da campanha". Apesar de local, o comercial repercutiu em todo o país, com a ajuda da Internet.

No entanto, a empresa Metrô de São Paulo, junto com a agência responsável por suas campanhas institucionais, diz que pretende processar a Rádio Transamérica pelo fato de que não foram informados previamente sobre a veiculação da campanha nem que qualquer autorização fosse feita para pôr no ar esse comercial.

A Transamérica FM perdeu muitos ouvintes em todo o país. A maior parte de suas afiliadas, sobretudo em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador, já amargaram sérias crises de audiência, com longos períodos de baixos pontos do Ibope.

Seu formato de rádio jovem pereceu e a emissora teve a pior ideia de adotar o "Aemão de FM" - com ênfase nas transmissões esportivas e no radiojornalismo de cunho conservador - , o que derrubou ainda mais a audiência.

Ultimamente a Transamérica pauta sua programação nas transações (olha o trocadilho) com DJs de casas noturnas e dirigentes esportivos. Há denúncias de que a Transamérica estaria "comprando" audiência em estabelecimentos comerciais - de papelarias e livrarias até lojas de material de construção - e sindicatos para "anabolizar o Ibope" e mascarar a decadência.

O episódio de um comercial machista e que sutilmente incita ao abuso sexual só agravou ainda mais as coisas. A Transamérica, velha e mofada, entre uma FM jovem demodê e um "Aemão" cansativo e entediante, não consegue sequer acompanhar as transformações do país - sobretudo as conquistas das mulheres na luta por dignidade -, às quais não cabe investir em humorismo tão grotesco.

Os ouvintes não curtem mais essa "transa", não. E não adianta maquiar o Ibope com a sintonia alugada de estabelecimentos comerciais e algumas entidades profissionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...