domingo, 23 de março de 2014

O BREGA É DESCARTÁVEL PORQUE ENVELHECE RÁPIDO


Por Alexandre Figueiredo

A música brega perce facilmente, como um pedaço de queijo exposto ao sol durante horas. Embora a intelectualidade cultural dominante "sociologize" demais os "sucessos do povão" e, num ato ao mesmo tempo cínico e tendencioso, transforma modismos em pretensos ativismos, nada impede que os ditos "sucessos populares" pereçam com muita facilidade, soando "velhos" já num prazo de seis meses.

Isso demonstra a clara mediocridade musical envolvida nesses sucessos, explicitamente feitos de acordo com interesses comerciais. São músicas muitas vezes decididas e boladas dentro de escritórios de gravadoras ou de agências de famosos, mas que a intelectualidade "bacana" quer porque quer que sejam vistos como "legítima expressão das periferias".

O modo e a persistência com que a intelectualidade "bacana" tenta impor os "sucessos do povão" como se fosse um processo de "rebelião popular contra as elites" é totalmente constrangedor, por vezes risível, por outras revoltante.

Sociologiza-se demais meros sucessos tocados em rádios e TVs, e todo um delirante discurso intelectual cria uma retórica pseudo-ativista para "eternizar" tais sucessos. Junta-se uma manchete policial numa festa "popular" e, pronto, para acusar as patrulhas moralistas de 1910 de perturbar as "festas do povão" é um pulo.

BLINDAGEM INTELECTUAL

Um exemplo ilustrativo ocorreu há quase dez anos. No alvorecer da blindagem intelectual ao brega, que começou por volta de 2002 nos veículos da grande mídia conservadora - sobretudo Rede Globo, Folha de São Paulo e revista Contigo - e do coronelismo radiofônico-televisivo regional, mas em 2005 já fazia proselitismo nos círculos esquerdistas, o "funk" é um caso típico disso.

Na época, havia o horrendo sucesso de Tati Quebra-Barraco, "Sou Feia Mas Tô Na Moda", na qual a funqueira se projetava fazendo o papel estereotipado da "pobretona zangada", um tanto caricato, grosseiro e que, em análise mais profunda, soa ofensivo a muitas moças pobres, roliças e negras que, em vez de serem funqueiras "zangadas", são domésticas, professoras, cozinheiras, donas-de-casa etc.

Tati Quebra-Barraco era muito menos rebelde do que se imaginava, demonstrando apenas que o "funk" tem essa manobra de criar fetiches que agradam bem a seus empresários-DJs. Mas ela se cercou de uma poderosa blindagem intelectual que armou, a favor dela, um discurso que lançou mão até mesmo de teses surreais e absurdas, tudo para "combater o preconceito".

Era a intelectualidade que mal tinha saído das sessões de cinema de Os Dois Filhos de Francisco, o blockbusters da direita acanhada que se esconde nas esquerdas médias intelectuais, apesar de Zezé di Camargo & Luciano serem eleitores do ruralista Ronaldo Caiado e o filme ser uma produção da Globo Filmes.

Daí foram cortejar o "funk" não como um ritmo dançante que não deveria ser perturbado pela truculência policial - que era o propósito original do discurso de defesa - , mas como uma suposta "cultura de vanguarda" que de vanguarda nada tem, não passando de uma enganosa estratégia de marketing.

Tomando Tati Quebra-Barraco como carro-chefe dessa campanha "socializante", o discurso intelectualoide promovia o "funk" como um pretenso "ativismo social", com um quê de "cultura pop" e outro de "militância política", juntando de universo fashion a lideranças comunitárias, dentro de uma retórica tendenciosa e extremamente contraditória.

Falou-se de Tati Quebra-Barraco qualquer besteira, mesmo aquelas descritas "com categoria" por monografias, documentários e reportagens. Seu mito foi construído pela Folha de São Paulo e por O Globo, mas as esquerdas médias tentaram "vender o peixe" para a intelectualidade progressista, feito um vendedor chato que implora para que o morador de uma casa compra seu produto chinfrim.

Ela foi tratada como se fosse uma "nova Elza Soares", só por causa de sua origem humilde. Mas nem de longe teve o talento da veterana cantora, que quando surgiu surpreendia pelas ótimas informações musicais trabalhadas.

Também tornou-se inútil usar o "funk", e a funqueira em particular, para evocar, no discurso apologético, de Antônio Conselheiro a Andy Wahrol, nesse caldeirão ideológico que transformava o fraquíssimo e inexpressivo "funk" na "última palavra em cultura de vanguarda brasileira".

Só que tudo isso é marketing da pior qualidade. Propaganda enganosa feita sob o mais engenhoso suporte intelectual, que dava sua choradeira acusando quem rejeita o "funk" não apenas de "preconceituoso", mas "elitista" e "moralista", entre outros adjetivos incômodos.

SUCESSOS QUE SOAM VELHOS

O grande problema é que, passou o tempo, Tati Quebra-Barraco desapareceu. Ficou rica, torrou a grana com cirurgias plásticas e foi curtir o luxo da fama repentina. A intelectualidade desconversou - "o povo quer é consumo, bens de luxo, que mal tem isso?" - , mas a funqueira depois virou evangélica e seu sucesso não foi mais que mero "fogo de palha" para uma retórica por demais sofisticada.

Além disso, jogar "Sou Feia Mas Tô Na Moda" para o âmbito da vanguarda artística não deu certo. Nem cooptando atores performáticos ou músicos excêntricos para cortejar o "funk" entre festinhas fashion e palestras "comunitárias". A música pereceu e hoje soa, além de ruim, extremamente velha e cansativa.

Esse não é um único exemplo. Na axé-music, por exemplo, em que pese toda a pregação de que a música comercial-carnavalesca baiana é "herdeira oficial do Tropicalismo", suas músicas e seus ídolos soam velhos e mofados, muitos deles sendo condenados a desaparecer com o tempo.

Luiz Caldas hoje soa como um brega querendo voltar à carreira, se passando por "gênio injustiçado". Chiclete Com Banana desgastou sua imagem com a prepotência do já velho Bell Marques, que teve que sair do grupo. Netinho sobreviveu ao câncer, mas soa artisticamente morto. O É O Tchan poucos têm coragem de reabilitar, apesar do esforço oportunista de uma historiadora.

Imagine então os sucessos menores, de grupos que aparecem e somem sem deixar rastros? Na axé-music, foi constrangedora a tentativa de relançar As Meninas com uma tese conspiratória dizendo que "Xibom Bombom", de autoria de um rico empresário baiano, era uma letra "marxista".

Fora da axé-music, então, um sem número de "sucessos populares" soa hoje velho e cansado, de "Adocica", de Beto Barbosa a "Passinho do Volante", de MC Federado e Os Lelekes. Até "Ai Se Eu Te Pego", sucesso de Michel Teló, tentou relançar a blindagem intelectualoide de "Sou Feia Mas Tô Na Moda", mas hoje também soa muito velha.

Até os neo-bregas dos anos 90, como Alexandre Pires, Chitãozinho & Xororó, Leonardo, Daniel e tantos outros se perderam no revival de si mesmos, incapazes de ter um repertório consistente e parasitando covers de MPB que só agradam os mais condescendentes. E hoje também soam velhos, cansados e ultrapassados.

Em contrapartida, as verdadeiras canções sempre permanecem com um admirável frescor de novo, se renovam a cada audição. Citar João Gilberto e Beatles são apenas os casos mais óbvios. A blindagem intelectual tentou fazer ficar perenes os sucessos brega-popularescos, com o claro apoio da velha grande mídia, esta também velha e cansada para além da conta.

Pior. Os nossos próprios intelectuais também soam velhos e cansados. Eles acreditam num Brasil brega, e brega, pelo que se saiba, é subemprego, pobreza, ignorância e mofo glamourizados pela mídia coronelista. Daí ter sido inútil transformar essa blindagem em discurso progressista, perene ou tudo de bom que vier por aí. Porque até esse discurso também se torna velho e cansado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...