domingo, 26 de janeiro de 2014

OS 20 ANOS DO COMÍCIO QUE A GLOBO TRANSFORMOU EM FESTA DE ANIVERSÁRIO DE SP


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O jornalismo "verdadeiro" da Rede Globo (vide campanhas publicitárias mais recentes) comete suas trapalhadas noticiosas, manipulando a realidade ao seu bel prazer (e sob a orientação do padrão neoliberal da mídia dos EUA, papagaio-de-pirata da Casa Branca), mas em outros tempos foi bem pior.

Em plena ascensão da campanha pela volta das eleições diretas, nos anos agonizantes da ditadura militar - a campanha começou em 1983 - , impulsionada pelo grande comício na Praça da Sé, em São Paulo, a Globo tentou fazer vista grossa e inventou de tudo: festa de aniversário da fundação da capital paulista, pessoas indo às ruas por causa do calor e por aí vai.

Só depois de tanta pressão por veículos concorrentes - os conservadores Bandeirantes e Folha de São Paulo, ao menos, deram ampla cobertura ao evento - , a Globo resolveu reportar a campanha Diretas Já.

Os 30 anos do comício que a Globo transformou em festa de aniversário de SP

Por Najla Passos - Agência Carta Maior

Brasília - Há exatos 30 anos, cerca de 300 mil pessoas foram à Praça da Sé, em São Paulo, para reivindicar eleições diretas para presidente. No palanque, políticos, artistas, sindicalistas e estudantes. Era o maior ato político ocorrido nos primeiros 20 anos da ditadura brasileira, com todo o seu saldo de mortes, torturas, desaparecimentos forçados, censuras e supressões dos direitos individuais. Mas o foco da reportagem que o telejornal de maior audiência do país, o Jornal Nacional, da TV Globo, levou ao ar naquela noite, era a comemoração pelos 430 anos de São Paulo.

O histórico comício da Praça da Sé ocorreu em um momento em que o Brasil reunificava suas forças para tentar por fim ao regime de exceção, em um movimento crescente. Treze dias antes, um outro ato político realizado em Curitiba (PR), com a mesma finalidade, havia sido completamente ignorado pela emissora. Mesmo a chamada para o ato que os organizadores tentaram veicular na TV como publicidade paga não foi aceita pela direção. O Jornal Nacional nada falou sobre o comício que levou 50 mil pessoas às ruas da capital paranaense. Antes dele, outros, menores, já ocorriam em várias cidades brasileiras desde 1983. Nenhum mereceu cobertura.

Em 1982,  a entrada em vigor da Emenda Constitucional nº 22 permitiu eleições diretas para governadores. Entretanto, previa que, em 1985, fosse realizada eleição indireta para o novo presidente, a ser escolhido por um colégio de líderes formado por senadores, deputados federais e delegados das assembleias legislativas estaduais. Os brasileiros, porém, queriam enterrar de vez os anos de arbítrio. Oposição e movimentos sociais se uniram para pedir Diretas Já.

Aliada inconteste da ditadura civil militar, a TV Globo demorou a acertar na análise da conjuntura. Acompanhando a leitura rasa dos militares que ocupavam o Palácio do Planalto, acreditou que os atos por eleições diretas não passariam de “arroubos patrióticos”, como depois definiria seu então diretor de Jornalismo, Armando Nogueira. Mas a estratégia de ignorar as diversas manifestações que pipocavam em várias cidades do país já estava arranhando sua credibilidade. Decidiu mudar.

Quando a multidão ocupou a Praça da Sé, a Globo optou por maquiar o ato e alterar suas finalidades. No telejornal mais visto do país, o apresentador Sérgio Chapelin fez a seguinte chamada: “A cidade comemorou seus 430 anos com mais de 500 solenidades. A maior foi um comício na Praça da Sé”. A matéria que entrava a seguir, do repórter Ernesto Paglia, evidenciava os 30 anos da Catedral da Sé e os shows artísticos pelo aniversário da cidade. Só no finalzinho, o repórter dizia que as pessoas pediam a volta das eleições diretas para presidente, como se aquilo tivesse sido um rompante espontâneo no evento convocado para outros fins.

Apesar da postura da maior rede de TV nacional, a campanha Diretas Já ganhava o país. No dia 24 de fevereiro, um novo grande comício foi realizado em Belo Horizonte (MG), e reuniu um contingente ainda maior de pessoas do que o de São Paulo. No mesmo Jornal Nacional, apenas rápidas imagens da multidão que saiu às ruas e dos muitos oradores que pediam o fim da ditadura, acompanhados de um texto que desvirtuam o sentido do ato.

A hostilidade com que os manifestantes tratavam a emissora só fazia aumentar. Foi nesta época que os protestos de rua passaram a bradar o slogan ouvido até hoje: “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”. Foi nesta época também que os repórteres da Globo passaram a ser achincalhado nas ruas. Alguns sofreram agressões físicas.

Roberto Marinho, o fundador da emissora, era comprometido com a ditadura até o pescoço. Afinal, foram os militares que encobriram as irregularidades que marcaram a inauguração da TV Globo, investigada por uma CPI Parlamentar por conta de ter recebido injeção ilícita de capital estrangeiro, no escândalo conhecido como Caso Time-Life. E também foram os militares que ajudaram a emissora a se tornar a maior do país, em troca de apoio sistemático ao regime de exceção.

Mas Marinho não era burro. Viu que era impossível conter a nova força política que se tornava hegemônica no país e, de uma hora para outra, virou seu jogo. No dia 10 de abril, duas semanas do Congresso votar a proposta de eleições diretas já, ele autorizou que sua emissora cobrisse à campanha. O comício realizado aquela noite, no Rio de Janeiro, que reuniu mais de 1 milhão de pessoas na Candelária, enfim ganhou espaço devido no Jornal Nacional.

A emenda que previa as Diretas Já, apresentada pelo até então quase desconhecido Dante de Oliveira, não foi aprovada. Mas Marinho já estava aliado comas forças que venceriam a eleição indireta: Tancredo Neves, o presidente eleito que morreu antes de tomar posse, e José Sarney, que por uma contingência do destino, iria assumir o posto. Naquela época, a família Sarney já controlava a mídia no seu estado de origem, o Maranhão. Reza a crônica política que, de olho em uma parceria de sucesso com a Globo, o novo presidente da república submeteu até mesmo o nome de seu ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega, à aprovação de Roberto Marinho.

Erro histórico

O erro histórico da Globo de manipular a campanha Diretas Já até hoje assombra a emissora. Em setembro do mesmo ano de 1984, em matéria publicada pela revista Veja sobre os 15 anos do Jornal Nacional, Roberto Marinho já tentava minimizar o fato: “Achamos que os comícios poderiam representar um fator de inquietação nacional, e por isso, realizamos num primeiro momento apenas reportagens regionais. Mas a paixão popular foi tamanha que resolvemos tratar o assunto em rede nacional”, justificou.

Não foi suficiente. A história continuou rendendo acusações, livros e teses acadêmicas, além de correr mundo. No documentário “Muito Além do Cidadão Kane”, da emissora pública britânica Channel 4, de 1993, um trecho da matéria exibida pelo Jornal Nacional sobre o comício da Praça da Sé ajuda a comprovar a tese expressa no título pelo diretor, Simon Hartog. No filme Cidadão Kane, de 1941, considerado a melhor produção cinematográfica de todos os tempos, o genial Orson Wells narra a historia de um magnata das comunicações que, para assegurar lucro e poder, não tem escrúpulos em apoiar governantes diversos, indepentendes de partidos e ideologias.

Um trecho da polêmica “cobertura” da Globo pode ser conferida no documentário Muito além do Cidadão Kane (a partir de 1h17m40s)



Foram necessários muitos anos de democracia e, principalmente, de pressão popular, para que a emissora voltasse a enfrentar o assunto. Depois que as primeiras edições do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre (RS), colocaram o debate sobre a manipulação da imprensa na agenda nacional, outros caciques da Globo tentaram apaziguar a história. Em depoimento gravado em 2000, o ex-diretor da emissora, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, admitiu a fraude, ainda que apresentando motivações enviesadas. “Enquanto as outras emissoras cobriam isso, nós ficamos limitados, pelo poder de audiência que a Globo tinha, a cobrir isso como se fosse um show de cantores”.

http://globotv.globo.com/para-assinantes/ta-na-area/v/diretas-ja-19831984/2233321/

Um ano depois, foi a vez do ex-diretor de Jornalismo da Globo, Armando Nogueira, revisitar a polêmica, em outro vídeo: “As passeatas, as manifestações, aquilo acabou se transformando em uma avalanche. E a Rede Globo, com o instinto de sobrevivência que sempre teve seu patrono, Roberto Marinho, não poderia ficar insensível a isso, embora tivesse duramente pressionada pelo Palácio do Planalto a não prestigiar o que se supunha, lá no Palácio do Planalto, apenas uns arroubos patrióticos, quando na realidade era a manifestação irresistível da consciência nacional”.

http://globotv.globo.com/para-assinantes/jornal-da-globo/v/diretas-ja-19831984/2233346/

Em 2003, o diretor executivo de jornalismo da emissora, Ali Kamel, reabriu a polêmica ao colocar no ar uma chamada em comemoração aos 34 anos do Jornal Nacional que evidenciava o pequeno trecho da matéria em que o repórter falava em “eleições diretas para presidente”. E no artigo “A Globo não fez campanha; fez bom jornalismo”, publicado na sequência no jornal O Globo, ainda teve a ousadia de afirmar que a chamada servia “para rechaçar de vez uma das mais graves acusações que o JN já sofreu: a de que não cobriu o comício das diretas, na Praça da Sé, em São Paulo”.

Os muitos autores que, até então, publicaram obras rechaçando a postura da emissora contra-atacaram, evidenciando a desproporção com que o tema foi tratado no telejornal. Ninguém nunca conseguiu saber, ao certo, se a vinheta de Kamel exibia a reportagem que, de fato, fora levada à época ao Jornal Nacional ou se era uma das tais “reportagens regionais” a que Roberto Marinha se referiu na entrevista à Veja de 1984. De certo, ficou apenas que o assunto não teve, no principal veículo de informação da emissora, o tratamento que merecia. E que o Brasil verdadeiramente democrático jamais engoliu a manipulação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...