terça-feira, 20 de agosto de 2013

O "TRENSALÃO" QUE ATROPELA O PSDB


Por Alexandre Figueiredo

Há cerca de um mês um grande escândalo atinge a principal base política do PSDB, em São Paulo. A partir de reportagens publicadas na Isto É - antes simpática ao tucanato - , foi revelado um esquema de acordos políticos envolvendo um cartel de empresas montado para operar o metrô de São Paulo, que vinha desde os tempos de Mário Covas, tido como "intocável" figura política do partido.

As relações envolvem até mesmo manobras para favorecer o apoio das empresas envolvidas, como a Alstom, famosa por se envolver em esquemas de corrupção no seu país de origem, a França, e a alemã Siemens, bastante conhecida dos cidadãos comuns, na reeleição de Fernando Henrique Cardoso em 1998.

Além das duas empresas ganharem sempre vantagens nos processos de licitação do metrô paulistano, o propinoduto - já apelidado pelos cronistas políticos como "trensalão" - se deu também através de orçamentos superfaturados cujo excedente financeiro era desviado dos cofres públicos para beneficiar o esquema, sobretudo na sustentação política do PSDB.

Das investigações feitas pelos procuradores do Ministério Público Federal e de membros da Polícia Federal, soube-se, entre outras coisas, que um valor de cerca de R$ 4,1 milhões teriam sido movimentados por testas-de-ferro e por consultores que haviam sido contratados pela Alstom para abrir caminho para o superfaturamento nas obras do Metrô, da CPTM (trens comuns) e da Eletropaulo.

Acrescenta-se a esse dado o indício de que, dessa verga, R$ 3 milhões teriam sido repassados para os cofres do PSDB através do atual vereador Andrea Matarazzo, que havia sido ministro de Fernando Henrique Cardoso e secretário de José Serra e Mário Covas.

Matarazzo também havia, na época dos primeiros contratos superfaturados, o ano de 1998, acumulado os cargos de secretário de Energia do governo de Mário Covas e presidente da CESP (Companhia Energética de São Paulo). As duas instituições são clientes do grupo Alstom no Estado.

A situação se agrava quando se observa que trens fabricados pela Alstom e comprados em 2010 para circular na Grande São Paulo até agora não foram liberados para circulação, tornando inúteis as verbas públicas que os contribuintes estaduais depositam todo mês nos cofres paulistas e paulistanos.

A grande mídia tenta livrar o PSDB da culpa, mas com o avanço das investigações é obrigada a admitir "alguma participação", mas sempre minimizando os efeitos para evitar o desgaste do PSDB e seus principais políticos com o escândalo do "trensalão".

Até o fechamento desse texto, parlamentares do PT em São Paulo, a partir de iniciativa de seu líder da bancada, deputado Paulo Teixeira, se mobilizam para colher assinaturas para pedir a criação de uma CPI mista de inquérito (deputados e vereadores), a CPI da Siemens. Pedir uma CPI exclusiva para a Câmara está inviabilizado, já que existem duas CPIs em andamento e outras já solicitadas na Câmara estadual.

Outra empresa estrangeira, a estatal espanhola Renfe, havia doado 48 trens para o governo paulista, mas pelo alto padrão dos trens, não adotado pelo sistema paulista (contavam com ar condicionado e música ambiente) e cada trem teve que ser reformado, com um valor equivalente ao da compra de um trem novo.

Isso ocorreu em 1997 e originou a simbiose entre os políticos tucanos de São Paulo e as empresas estrangeiras que cada vez mais negociavam vantagens junto ao PSDB paulista, sobretudo através de orçamentos superfaturados.

O escândalo poderia muito bem render um livro. É provável que renderá. São 15 anos de escândalos, com episódios "picantes" à altura dos que Amaury Ribeiro Jr. descreveu em A Privataria Tucana. Além disso, os personagens são os mesmos e, de uma forma ou de outra, os episódios do propinoduto dos trens e metrôs com a "privataria" se cruzam.

A grande mídia está apreensiva diante do escândalo que atropela o PSDB e compromete a reputação de seus "heróis".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...