quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

KAMEL E A JUDICIALIZAÇÃO DA POLÍTICA


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O diretor de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel, não gostou das comparações que o jornalista Rodrigo Vianna fez entre ele e um ator pornô com o mesmo nome e resolveu processá-lo, assim como processou Paulo Henrique Amorim, Luís Nassif, Sr. Cloaca e outros blogueiros destacados por conta de críticas a ele..

Em que pese o adjetivo de "senhor das trevas", as críticas não eram caluniosas, mas relativas a posturas reacionárias que Ali Kamel, o da Globo, adotava no famigerado jornalismo da emissora. Além disso, as posturas de Kamel escritas no seu livro Não Somos Racistas também foram alvos de críticas que ele também não havia gostado.

Por enquanto, o processo judicial contra Rodrigo Vianna, do blogue Escrevinhador, deu ganho de causa ao "global", já que Vianna foi condenado a indenizá-lo com o valor de R$ 50 mil. Ironicamente, Rodrigo Vianna já havia trabalhado na Rede Globo, mas atualmente ele é repórter da Rede Record.

Kamel e a judicialização da política

Por Eduardo Guimarães - Blog da Cidadania

O melhor indicador de que a dita grande imprensa e a blogosfera progressista se tornaram atrizes do palco político reside em um dos processos que o diretor de Jornalismo da Globo, Ali Kamel, moveu contra vários blogueiros por conta de um episódio que integra um processo de confrontação entre estes e aqueles mega veículos de comunicação e seus profissionais.

Todos os dias, na internet, centenas e até milhares de textos são postados em blogs, sites e em suas respectivas caixas de comentários contendo ataques muito mais graves do que aquele do qual reclama o diretor global. A profusão de ataques, mentiras, distorções, invenções e até ameaças graves à integridade física de pessoas é altamente significativa.

Todavia, ninguém leva essas coisas a sério, pois, do contrário, quem o fizesse não sairia do Judiciário.

Vasculhem-se as caixas de comentários e até os posts de blogs e sites progressistas ou corporativos e o resultado será matéria-prima inesgotável para milhares de ações por danos morais. Nenhum lado, portanto, pode se considerar a salvo de ações judiciais por ofensas a pessoas.

Se Ali Kamel for processar a todos os que já falaram mal dele tanto de forma legítima – em forma de crítica política – quanto de forma ilegítima – em forma de meros xingamentos –, irá monopolizar o Poder Judiciário e despender uma considerável fortuna. E o mesmo vale para este que escreve e para aqueles blogueiros que têm opiniões parecidas com a sua e que são alvos de constantes ataques de todo tipo.

Essa ação que move Kamel contra o blogueiro Rodrigo Vianna, conforme relata post deste segundo jornalista veiculado em sua página pessoal na internet e em outros blogs e sites, sugere que integra a esfera das vendetas. O diretor da Globo pinçou, de uma infinidade de ataques similares que recebeu na internet, alguns poucos nomes.

Coincidentemente, como relata Vianna em seu texto, todos os processados pela razão das ironias com a homonímia entre o Kamel jornalista e um Ali Kamel que foi ator pornô nos anos 1970, ou são pessoas que trabalharam com o diretor de jornalismo da Globo ou são jornalistas de renome, à exceção, talvez, do signatário do blog Cloaca News, que, ao que se sabe, nunca trabalhou em um grande meio de comunicação.

Ainda na Globo, o jornalista Heraldo Pereira, um dos âncoras do Jornal Nacional, processou o blogueiro e apresentador da TV Record Paulo Henrique Amorim por uma frase que considerou racista, quando este jornalista o chamou de “negro de alma branca” por julgar que o apresentador do JN se conformou, passivamente, em ser exceção étnica no jornalismo da Globo.

Luis Nassif, por sua vez, também virou alvo e acusador no âmbito de um processo de escaramuças judiciais que teve início há alguns anos, sendo este jornalista, talvez, o primeiro de uma série de jornalistas que foi ao Judiciário discutir divergências.

Independentemente do mérito das demandas, o que se pode prever é que, a persistir esse quadro de judicialização, a prática de pinçar pessoas de um amplo contexto de confrontações políticas em que pululam exageros de parte a parte deve desembocar em uma guerra judicial, pois, se for para levar qualquer frase intempestiva a sério, não faltarão elementos para todos os contendores baterem às portas do Judiciário.

Recentemente, por exemplo, o jornalista da Veja Augusto Nunes elaborou uma lista de caráter depreciativo, contendo ilações sobre a honra dos que nela figuram – entre estes, este que escreve, acusado, desairosamente, de integrar um grupo que “trabalharia” para o PT e para o ex-presidente Lula.

Abaixo, a “lista” de Nunes, que mais parece denunciar pessoas por apoiarem o ex-presidente da República e por terem simpatia pelo PT.


Esse, acima, é só um dos exemplos de abusos que são cotidianamente praticados pelo lado que toma iniciativa de judicializar o debate político na internet. Há coisas infinitamente piores.

Aliás, vale dizer que não são apenas blogueiros ou jornalistas de grandes meios de comunicação que passam a ser passíveis de represálias judiciais, pois internautas desconhecidos tomam as dores dos dois lados e, frequentemente, ultrapassam o limite da crítica, inclusive chegando ao ponto de ofensas e ameaças muito mais graves do que aquela suposta ofensa que moveu Ali Kamel contra blogueiros.

Eis que a temperatura política vai subindo além do minimamente razoável, pois não estamos em guerra civil, neste país.

Assim, os setores do judiciário que estão abrindo as portas a essa guerra político-judicial, estão, também, abrindo-as a uma verdadeira invasão daquele Poder por ações dessa natureza, o que carece de sentido em um momento em que a mídia brande a “liberdade de expressão” para defender seu direito de criticar pesadamente seus desafetos políticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...