quarta-feira, 1 de agosto de 2012

BARRACO NA MÍDIA: ALBERTO DINES E BÓRIS CASOY TROCAM FARPAS PUBLICAMENTE


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE:  Dá para perceber o pano de fundo ideológico dos dois jornalistas em conflito. De um lado, o progressista Alberto Dines, de tão valiosas e corajosas colaborações à imprensa, com seu habilidoso jogo de cintura de enfrentar até mesmo o peso da censura.

De outro, Bóris Casoy, estudante envolvido com o Comando de Caça aos Comunistas, que aplaudiu seus amiguinhos quando eles partiram para cima dos estudantes esquerdistas da USP, no sangrento confronto na Rua Maria Antônia (SP), em 1968.

Pois Bóris é jornalista conservador com passagens no Estadão e na Folha e conviveu profissionalmente com Dines num tempo em que a velha imprensa acolhia jornalistas de esquerda. E, ultimamente, Bóris, que hoje está na TV Bandeirantes (cada vez mais conservadora), passou a atacar o âncora do corajoso e multimidiático Observatório da Imprensa, um dos maiores espaços de divulgação do debate sobre a imprensa e os meios de comunicação de nosso país (no qual eu mesmo colaborei algumas vezes com artigos).

Embora o episódio seja polêmico nos dois lados - e Dines não tem medo de provocar polêmica, o que ele quer mesmo é fortalecer ainda mais o debate - , nota-se o caráter reacionário de Casoy, o mesmo que havia feito comentários grotescos contra os garis e "acusou" Lula pela morte da dona da Daslu.

Barraco na mídia: Alberto Dines e Boris Casoy trocam farpas publicamente

Por Cláudio Júlio Tognoli - Portal Brasil 247 - Reproduzido também no Pragmatismo Político

Por duas vezes seriadas, Alberto Dines, pai da crítica de mídia no Brasil, sagrado pelo disputadíssimo prêmio Moors Cabot, o Nobel do Jornalismo, atacou outro conhecido do jornalismo, o âncora Boris Casoy. No programa Roda Viva, da TV Cultura, e na revista da ABI, a Associação Brasileira de Imprensa, Alberto Dines apareceu de dedo em riste: acusando Boris de tê-lo cortado a cabeça, enquanto diretor da Folha de S. Paulo.


Boris Casoy mandou sua carta-resposta para a ABI, que não a publicou. Casoy sentiu-se censurado, e mandou o repique para alguns amigos. A íntegra da carta está reproduzida abaixo.
A verdadeira história nem Dines nem Casoy relatam. Que é a seguinte: Dines era chefe da Sucursal da Folha no Rio de Janeiro. E nos anos 80 mandou para São Paulo a famosa história de que um empregado da Coca-Cola havia caído num tonel da bebida, e acabou afogado e derretido. A Folha publicou. Meses depois, confirmou-se que a história era falsa. Boris ficou na cola de Dines, que endossou a veracidade da história, mas acabou esquecendo.


Meses mais tarde Dines escreveu na página dois da Folha um violento artigo contra Paulo Maluf. Boris o mandou para o dono do jornal, Octavio Frias de Oliveira. E decidiu-se que o artigo de Dines sairia publicado à página cinco do jornal, bem no abre. O que não aconteceu.
Nesta altura Boris Casoy estava em viagem à China. Na sua ausência, um secretário de redação alertou a Octavio Frias de Oliveira que Dines vinha mandando diariamente o artigo a São Paulo, “até que fosse publicado”. Ao ler o artigo, finalmente, o finado seu Frias resolveu pela demissão do Alberto Dines: pelo fato de Dines insistir tanto em peitar uma ordem.


A história acima é o que se passou: nem Dines, nem Casoy, gostam de vê-la contada. E quem demitiu Dines não foi Casoy: foi o dono do jornal.


Leia a carta, com exclusividade:

Resposta de Boris Casoy a Alberto Dines.

Alberto (ou Abraão ?) Dines, mais uma vez abre sua cloaca para atacar.

De conhecido caráter, destituído de qualquer sentido moral ou ético, esse indivíduo tenta justificar com uma história da carochinha o fato de ter sido interventor da ditadura no Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro. Sua “explicação” não passa de um atentado à inteligência alheia. Imagine: em plena época de caça às bruxas, um grupo de jornalistas ligados ao Partido Comunista procura esse” ínclito” profissional pedindo sua intercessão junto ao gabinete do então presidente Castelo Branco, com o objetivo de destituir a direção do sindicato, legitimamente eleita. O governo aceita a sugestão e o nomeia interventor militar. É essa a versão que Dines tenta nos impingir

É evidente que só eram nomeados interventores aqueles que tinham a total confiança do regime. Dines, de maneira covarde, tentando dividir culpas com os comunistas, assume a sua ditadura particular. Tira um desafeto pessoal da presidência da entidade e , como se não bastasse, faz um sem número de cassações. É claro que zelosamente oculta esses fatos de sua biografia (ou folha corrida?) Se escapou da lei graças a Anistia, será inscrito entre os réus quando a ação da ditadura nos sindicatos tiver sua história levantada. Mais tarde demonstrou toda a sua “consideração ” com comunistas ao pedir – e por duas vezes – que eu os demitisse da sucursal da Folha de S.Paulo no Rio de Janeiro.

Não satisfeito, esse senhor assaca contra mim a “informação ” (gabola, ele sabe tudo!) de que a diretoria do jornal considerou um erro eu ter sido convidado para editor da Folha de S.Paulo. Se foi erro, o jornal errou duas vezes. Fui convidado – e assumi a função por duas vezes. Certamente, o grande equívoco do sr Frias foi não ter convidado esse “monumento” da imprensa nacional para dirigir a Folha.(” Por que não eu?”) Aliás, em minha gestão , além do prestígio ganho, a Folha ultrapassou a circulação de todos os seus concorrentes. Ao contrário, o sr. Dines deu o tiro de partida na morte do Jornal do Brasil, o que levou Nascimento Brito a sacá-lo do comando da redação. A partir daí,um a um, Dines foi defenestrado de todos os órgãos de impresa em que trabalhou.

Ressentido, montou à sombra do Estado uma “dineslêndia” , na qual, brincando de Deus, dedica-se biliosamente a atacar os órgãos de imprensa em que trabalhou e os colegas.

Ninguém melhor do que ele para falar sobre censura. Julga os demais seres humanos tendo como modelo seu próprio caráter. Além da sua “mão de ferro” no JB, foi protagonista , mais recentemente, de um vergonhoso episódio censório .Depois de anunciar fartamente, cancelou a participação em seu programa numa TV estatal, do autor de um livro sobre o senador Antonio Carlos Magalhães.

Esse pobre diabo, primeiro mente ao afirmar que foi demitido pessoalmente por mim. Depois diz que fui covarde ao solicitar que o secretário de redação o fizesse. Eu não poderia fazê-lo. Estava na China. A demissão desse ruinoso indivíduo deu-se com plena concordância do sr. Frias. Dines era uma das poucas “vacas sagradas” do jornal e sua saída só poderia ser decidida com a direção maior.
Não foi apenas o fato de recusar-se a assinar um artigo contra Paulo Maluf que levou a sua demissão. Num ato falho, em meio a uma discussão sobre a sucursal do Rio, Dines acabou revelando que uma série de reportagens endossadas por ele sobre a Coca Cola era falsa. Ele fazia essa confissão anos e anos depois dos fatos. Ocultou durante muito tempo sua grave falha. 

Nessa série de reportagens forjadas, contava-se que um operário da Coca Cola havia caído num recipiente destinado ao fabrico do refrigerante. A empresa sofreu enormes prejuízos com isso. E Dines manteve seu erro em segredo. E mais: não teve a coragem de afastar o repórter que, segundo ele, forjara até documentos. A bem da verdade, Alberto (ou Abraão?) nada tinha contra a Coca. Era até apreciador. A partir daí, chegava ao ponto final a confiança que se depositava nesse senhor.

Há poucos dias, recebo em minha casa uma dessas almas de peregrinas virtudes. Propõe-se a “selar a paz” entre Boris e Dines. Tenta me convencer, pedindo compreensão, pois Alberto segundo ele, se submete a tratamento psiquiátrico. Respondo sentir muito. E que nenhuma demência , nem a senil, altera o caráter do indivíduo.

Isso me leva a um fato relatado pelo jornalista Julio Lerner. Julio pretendia escrever um livro sobre Stefan Zweig. E me perguntou se poderia receber sugestões de Dines, autor de um livro sobre aquele escritor.Recomendei. Dias depois, Julio veio a minha procura. Tinha sido recebido por Dines, a quem não conhecia. 

Quando Lerner relatou que trabalhara na Folha, Dines lançou uma gravíssima e odiosa série de difamações sobre diretores do jornal, Em seguida, ao saber da intenção de Julio Lerner de escrever algo sobre Zweig, não suportou a concorrência e respondendo com um sonoro “ponha-se para fora” saiu da sala. Constrangida, a mulher de Dines pediu desculpas e justificou o ato dizendo que o marido estava sendo submetido a tratamento psiquiátrico.

Louco ou mau caráter? Provavelmente os dois!

Ass: Boris Casoy

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...