sexta-feira, 6 de julho de 2012

"DEM NÃO EXISTE MAIS", AFIRMA EX-DEMO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O partido DEMOCRATAS, ou DEM, acabou tendo uma trajetória humilhante. Última encarnação da antiga UDN - que, como sigla, pretende voltar em breve - , o DEM pretendia ser um partido de direita moderno, mas tornou-se mais antiquado do que até mesmo a ARENA, o PDS e o PFL, bastante antiquados, mas adequados ao contexto conservador de suas épocas.

Hoje o partido perde cada vez mais membros, e já viu alguns de seus políticos, como o governador do Distrito Federal José Roberto Arruda e o senador goiano Demóstenes Torres (um dos fundadores do DEM) serem processados por corrupção.Enquanto isso, o PSD anda "roendo" quadros estratégicos não só do DEM, mas do PSDB e até do PPS. E o PMDB também aproveita para abocanhar outros ex-demos.

Altamiro, em seu texto, adverte no entanto que a direita continua forte, sobretudo por causa do grande respaldo midiático.

“DEM não existe mais”, afirma ex-demo

Por Altamiro Borges

Saiu ontem na coluna de Mônica Bergamo, na Folha:

*****

O vereador Carlos Apolinário deixa hoje o DEM para entrar no PMDB e se incorporar à campanha de Gabriel Chalita à prefeitura. “O DEM não existe mais em São Paulo”, diz ele. “O que tinha era tempo de TV e agora até perdeu um pouco disso para o PSD”. Ele passa a ser o único vereador do PMDB na cidade.



*****

A declaração de Carlos Apolinário, que já foi uma referência dos demos, mostra bem as dificuldades das forças conservadoras e oligárquicas que se agruparam nesta legenda. Evidencia que a direita não convive bem com a democracia. Por isso, ela sempre foi golpista e partidária de ditaduras. Antes, os mesmos cacifes que hoje sucumbem no DEM apostaram as suas fichas em outras siglas.

A acelerada decadência

Na época da ditadura, muitos deles se abrigaram na Arena, considerado o maior partido da direita no mundo ocidental. Já nos estertores do regime militar, eles se travestiram de Partido Democrático e Social (PDS) e mantiveram certa força. No reinado neoliberal de FHC, fundaram o Partido da Frente Liberal (PFL) e voltaram a crescer, elegendo mais de 100 deputados federais e vários governadores.

O ciclo político aberto pelo ex-presidente Lula, porém, foi fatal para a representação partidária da direita oligárquica. Ela começou a definhar e, na maior caradura, adotou o nome de Democratas (DEM) para tentar sobreviver. As oligarquias perderam força nos governos estaduais, inclusive no Norte e Nordeste, e a sigla teve a sua bancada federal drasticamente reduzida.

A dissidência pragmática

Como o cobertor encolheu, a rebeldia pragmática se instalou entre os demos, com muitos abandonando o barco à deriva. O golpe mais duro ocorreu no ano passado com a criação do PSD, liderado pelo ex-demo Gilberto Kassab, prefeito da capital paulista. Numa só tacada, o DEM perdeu 17 deputados federais, uma senadora, um governador e centenas de prefeitos e vereadores em todo o país.

“O DEM não existe mais” não apenas de São Paulo. Em vários estados, ele simplesmente desapareceu do mapa. Os que sobraram na legenda apostam as suas últimas cartadas nas eleições municipais de outubro próximo. Só mesmo um milagre poderá salvar os demos do inferno. A extinção deste partido direitista será muito positiva para a democracia brasileira.

Isto não significa, é lógico, que as forças conservadoras não têm mais força no Brasil. Elas mantêm o poder econômico e contam, principalmente, com a mídia – o verdadeiro partido do capital – para difundir os seus dogmas. Além disso, hoje elas se fazem representar por inúmeras siglas partidárias. O DEM está próximo da extinção, mas as forças de direita ainda são muito fortes no país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...