sexta-feira, 25 de maio de 2012

TURÍBIO SANTOS E UMA AMOSTRA DO VERDADEIRO PRECONCEITO


Por Alexandre Figueiredo

Quem realmente é vítima de preconceito? É muito fácil dizer que qualquer rejeição, mesmo aquela justificada com bases de raciocínio precisas, é "preconceito" apenas porque vai contra o "estabelecido".

Mas a aceitação tem muito mais de preconceituosa, porque é feita sem qualquer verificação ou análise, e vemos que, enquanto a esperteza dos ídolos brega-popularescos usa o rótulo de "vítimas de preconceito" para expandir seu mercado, invadindo redutos mais apropriados para a MPB autêntica e de qualidade, são justamente os músicos da mais autêntica MPB, que primam pela qualidade artística, as verdadeiras vítimas de preconceito no nosso país, sobretudo dos mais jovens.

Um caso ilustrativo envolve o músico Turíbio Santos, um dos mais talentosos de nosso país, discípulo de Heitor Villa-Lobos e violonista habilidoso e inspirado. Ele tornou-se vítima de preconceito por gente que se gaba em ser "sem preconceitos".

Isso ocorreu quando eu tentei sugerir, como teste, o nome dele para ser apreciado pelos internautas que trocam mensagens no Orkut, um dos portais de redes sociais da Internet. Foi há seis anos atrás, mas serve de lição para hoje.

Uma "patricinha" se dizia solitária, dessas "encalhadas" no amor, numa mensagem lacônica dessas pessoas que escrevem pouco e em internetês. Vi no perfil dela, por curiosidade, que ela, de 19 anos na época, colocou como gosto musical gangsta rap e "funk carioca".

Aí eu disse que o gosto musical foi a razão dela estar sozinha e que, se ela curtisse música brasileira autêntica - só por provocação, eu citei um músico bem sofisticado, o violonista Turíbio Santos - ela teria mais sorte no amor.

Aí houve reações de muita ironia e hipocrisia. Os internautas, provavelmente sem conhecer uma nota sequer da música de Turíbio, o definiram como um chato. Houve até um internauta que, pela foto, parece um desses playboys com olhar de tarado, que, reagindo ao meu comentário de que "funk carioca" não é coisa de inteligente, falou algo como "não entendo porque você diz que o 'funk' não é música de gente inteligente".

E teve gente defendendo o gosto musical dela, a pretexto da "liberdade de gosto" e outras desculpas falsamente libertárias. Criou-se um clima de saia justa. Diante de tanta confusão, o moderador da comunidade fez por bem eliminar o tópico lançado pela tal patricinha funqueira.

O que foi parar uma funqueira e seus defensores numa comunidade dedicada a uma das principais capitais do Sul do país, não dá para entender. Salvo honrosas exceções, o Sul pode ter se imbecilizado - todo o país ficou assim - , mas não imaginava que chegasse a esse ponto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...