terça-feira, 3 de abril de 2012


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Fernando Brito, do blogue Tijolaço, faz uma lembrança dos 30 anos da Guerra das Malvinas, evento que, resultando na vitória da Grã-Bretanha, que se tornou dona da ilha antes integrada à Argentina, o que desgastou violentamente a ditadura vigente no país sul-americano.


Malvinas: memória, verdade e justiça

Por Fernando Brito - Blogue Tijolaço

Não é possível deixar de assistir o discurso da presidenta argentina Cristina Kirchner, ontem, na celebração dos 30 anos da Guerra das Malvinas.

Uma fala que toca qualquer coração sensível, qualquer cérebro lúcido.

Editei um trecho, logo após ela saudar os ex-combatentes.

Cristina percorre o sentido de três palavras.

A memória daqueles fatos dolorosos, sim.

Mas a necessidade de que todos possam conhecer toda a verdade, explicando sua ordem parta que se desclassificasse o sigilo sobre o Informe Rattenbach, elaborado ainda sob o período ditatorial e jamais conhecido em sua íntegra, apesar dos vazamentos que vinha tendo pela mídia.

E, evocada pela memória e esclarecida pela verdade, a necessidade de justiça.

Uma justiça que venha desde o direito de cada mãe poder, ao menos, ter o corpo de seu filho sob uma lápide e poder chorá-lo e que chegue à ideia obvia de não podem haver mais colônias no mundo, que um país não possa se arvorar a detentor de terras a 14 mil quilômetros de distância de si, pelo simples razão de ser forte.

Kirchner pronuncia um libelo contra a guerra, mas também um libelo contra a mentira e a injustiça.

Depois de ouvi-la, dá pena ler a forma caricata, quase folclórica, com que nossa imprensa trata esta questão.

Chega a ser ridículo mostrar aquelas típicas cabines telefônicas vermelhinhas dos ingleses como “prova” de que as Malvinas, quando todos sabem que ali se disputa o ponto de apoio para o controle do Sul do Atlântico, agora ainda com o plus de vir gratinado em petróleo.

Chega a ser vergonhoso que haja a necessidade de uma chefe de Estado, nos extremos da Patagônia, ter de lembrar ao mundo que todas as nações e povos merecem o mesmo respeito.

Todo cidadão do mundo deveria ouvir este discurso.

Nossos militares, nossos diplomatas, nossos jornalistas, para que deixassem de lado as visões mesquinhas, frias e sem paixão, com que olham esta questão.

Mas também nós, cidadãos descrentes da política, que nos acostumamos a ver pequenez e cinismo nas palavras dos governantes.

Cristina Kirchner nos faz sentir orgulho de sermos dignos, decentes, humanos e – porque tanto se nega esta palavra? – patriotas. Com isso, ao afirmarmos o direito de autodeterminação dos povos e o respeito a todos eles, abraçarmos a única ideia de cosmopolitismo possível: a que embute a paz e a igualdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...