terça-feira, 24 de abril de 2012

BANDA CALYPSO: PRETENSIOSISMO E DESESPERO


Por Alexandre Figueiredo

No programa De Frente Com Gabi (SBT), apresentado por Marília Gabriela, o casal central da Banda Calypso, Joelma e Chimbinha, mostrou mais uma vez seu pretensiosismo e o desespero diante das críticas e do desgaste que o brega-popularesco anda sofrendo nos últimos meses.

A entrevista, sempre apostando no tal marketing da exclusão - o ídolo se passando por "coitadinho" para impressionar a opinião pública - , também foi dotada de muita presunção e pretensiosismo, sobretudo por causa da produção de um filme baseado na vida de Joelma e Chimbinha.

Ainda vamos falar desse desperdício que os produtores de cinema brasileiro de preferirem fazer filmes com ícones do brega-popularesco, quando existem personalidades mais antigas e muito mais importantes que deveriam ter filmes biográficos, sejam dramaturgia ou documentário. Mas isso é outra história.

O que estarrece na Banda Calypso, ou, pelo menos, no casal central do grupo - será que os demais integrantes são também "empregados", como ocorre na axé-music? - , é a esperteza que os dois têm para buscar o sucesso, seja através do jabaculê, do pretensiosismo e do tendenciosismo de se comparar com os Beatles e pegar carona em músicos de Rock Brasil para se promoverem.

Sim, Joelma e Chimbinha tiveram a coragem de dizer que a Banda Calypso é tão "injustiçada" quanto foram os Beatles. Mas o problema é que os Beatles sempre foram uma banda comprometida com a qualidade musical, como muitos fãs brasileiros, mais uma vez, foram conferir na apresentação de um deles, Paul McCartney.

Já a Banda Calypso, muito pelo contrário, é um dos ícones mais espertalhões e picaretas da mediocridade musical brasileira, que ainda domina o mercado. A entrevista dada a Marília Gabriela mostrou Joelma e Chimbinha dotados de muita arrogância e pretensão, ainda que com falsa pose de vítimas.

Afinal, quem realmente é bom não fica se passando por coitadinho. E nem fica fazendo falsa modéstia, querendo bancar o bom a todo custo. E ser gente simples não é algo que se associa virtualmente às classes pobres. Afinal, Chico Buarque é muito mais gente simples do que todos esses bregas que fazem pose de vítima para perpetuar no sucesso e atingir espaços que nada têm a ver com os seus.

Por isso, a Banda Calypso não sofreu o mesmo preconceito dos Beatles. Aliás, o grupo inglês nunca foi brega, diga-se de passagem. Isso foi factóide da Folha de São Paulo, por decisão de Otávio Frias Filho, um dos mecenas da breguice que domina o país e ameaça sufocar a cultura brasileira de verdade.

A Banda Calypso sofre críticas pela sua natural mediocridade, pela falta de humildade e pela mania de grandeza resultante do estrelismo de Joelma e Chimbinha. E ambos ainda comemoram quando tomam como "quase certa" a escolha de Deborah Secco para interpretar Joelma no cinema.

Pobre Deborah Secco. Estrela de TV, mulher de um jogador de futebol que chegou a trai-la, escalada para bajular o Big Brother Brasil e agora para fazer o papel da Joelma do Calypso. Tudo pela fama e para se tornar atriz de destaque numa emissora como a Rede Globo de Televisão.

Pobre Belém do Pará, que, além de sofrer a politicagem vinculada aos senhores de terra do interior paraense, ainda sucumbe à enganação do povo com o suposto paraíso (ou Pará-iso) da "cultura" brega.

Pobre cultura brasileira, que ainda precisa aguentar a arrogância e o estrelismo do pretensioso casal Joelma e Chimbinha, que ainda por cima quiseram bajular os quatro rapazes de Liverpool. John Lennon e George Harrison devem estar se virando no além.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...