quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

FOLHA DE SÃO PAULO RECUSA-SE A ADMITIR CRISE NO BIG BROTHER BRASIL



Por Alexandre Figueiredo

A estranha ênfase com que a Folha de São Paulo divulga o "crescimento" da audiência do Big Brother Brasil 12, mesmo com toda a má repercussão do episódio do suposto estupro, mostra o quanto a velha mídia é capaz de proteger suas atrações.

A Folha não quer admitir a crise do programa Big Brother Brasil e tenta capitalizar o episódio como se fosse um "polêmico incidente" que estaria "alimentando" ainda mais o sucesso do programa. Para a Folha, o BBB tornou-se "mais instigante" por causa do incidente.

É com suspeito alarde que o jornal da famiglia Frias alardeia o "aumento" de 80% dos pontos registrados na audiência do BBB 12. O programa, segundo a Folha, teria crescido de 20 para 36 pontos do Ibope, comparando o dia do suposto estupro ao "paredão" que derrubou Daniel, o acusado pelo suposto abuso sexual contra a colega Monique.

A informação é desmentida pelo portal Terra, que, em relação ao mesmo período comparado, afirmou que a atração continuava com 20 pontos, sendo mais uma queda de audiência em toda a trajetória do programa.

É notório a preocupação da Folha de São Paulo em proteger o BBB. O dono da Folha, Otávio Frias Filho, é muito amigo do apresentador do programa, Pedro Bial, e juntos os dois se confraternizam constantemente no Instituto Millenium.

Até pouco tempo atrás, Bial fazia parte da cúpula do "instituto", mas hoje é apenas um membro visitante. Mas o apresentador do BBB e o chefão da FSP devem continuar se encontrando no "café" dos amigos da referida entidade.

O Big Brother Brasil passou a sofrer uma séria crise, que preocupa até anunciantes e teve reflexos na imprensa internacional. Até o britânico Daily Mail noticiou o caso, definindo-o como "maior polêmica de um dos programas mais vistos no país".

O escândalo do BBB é até maior do que o da privatização da Era FHC investigado pelo livro A Privataria Tucana. E anda sendo falado por praticamente toda a blogosfera progressista, de Raphael Tsavkko Garcia a Paulo Henrique Amorim.

A preocupação da Folha de São Paulo, portanto, pode ser estratégica, uma vez que ela e a Rede Globo são parceiras em muitos episódios de manipulação da opinião pública e nas tomadas de posições político-ideológicas.

Por isso, dá para perceber que a proteção da Folha ao Big Brother Brasil tem como objetivo evitar o inevitável: o desgaste de um projeto ideológico da velha mídia desde os anos 90, no qual o BBB é apenas um de seus símbolos.

É isso que a Folha teme, assim como a Globo. Caindo o BBB, cai um dos pilares que sustentam o poderio da grande mídia brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...