sexta-feira, 16 de setembro de 2011

MARCHA CONTRA A CORRUPÇÃO DA MÍDIA



COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Hoje haverá manifestações contra a corrupção da mídia. No Rio de Janeiro e em São Paulo, serão feitos protestos que são motivados pelos recentes episódios na grande mídia, como os deslizes jornalísticos da revista Veja e do Jornal Nacional da Rede Globo. O ato também é uma resposta à "marcha da corrupção" que, embora aparentemente ecumênica, teve grande participação de setores da direita nacional.

Contra a corrupção da mídia

Do sítio Vermelho

Duas manifestações, em São Paulo e no Rio de Janeiro, marcarão a luta dos movimentos pela democratização da comunicação. Intitulada Ato Contra Corrupção da Mídia, a mobilização é organizada pelo Movimento Sem-Mídia (MSM).

Em São Paulo, foi convocado via Facebook e ocorrerá no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, às 14 horas. Até ontem, 1.150 pessoas haviam confirmado presença.

No Rio, a atividade será na Cinelândia (entorno da Praça Floriano), região central da cidade, a partir das 17h. Mais de 150 confirmaram participação.

Segundo o empresário Eduardo Guimarães, criador do MSM e autor do Blog da Cidadania, o objetivo é protestar contra a corrupção da mídia, sobretudo depois das manifestações contra a corrupção ocorridas no dia 7 de setembro, instigada pela própria grande imprensa conservadora, que está entre os maiores responsáveis pela corrupção no Brasil.

Munidos de faixas e carro de som, os manifestantes prometem levar a todos presentes a bandeira por um marco regulatório da comunicação, além de denunciar a grande mídia, que só vem noticiando corrupção dos políticos do PT e aliados, ignora a dos governos de outros partidos. “A mesma mídia que denúncia corrupção só no governo do Partido dos Trabalhadores e entre seus aliados, omite-se, criminosamente, em denunciar a corrupção em governos estaduais e municipais do PSDB”, disse Eduardo Guimarães.

O MSM surgiu, em 2007, nesse contexto de combate à hegemonia imposta pelos grandes veículos de comunicação no País. Dois anos depois, organizou o Ato contra a Ditabranda da Folha de S. Paulo, em 15 de março de 2009. “No ano passado enviamos representação ao Ministério Público Eleitoral contra os institutos de pesquisa que se acusavam de fraude em sondagens sobre a disputa para presidente. O MPE determinou à PF que abrisse inquérito e logo depois as pesquisas começaram a convergir”, lembrou Eduardo.

Marco regulatório não é censura

O marco regulatório da comunicação pode impedir, por exemplo, o monopólio que, apesar de ser inconstitucional, se configura no mercado nacional. Também pode inibir a propriedade cruzada, quando vê-se proprietários de jornais, comandando também rádios e TVs. Além disso, os pequenos ficam de fora, como as rádios comunitárias, que precisam ter seus espaços garantidos. Também é importante consolidar um sistema público, que tenha capacidade de gerar conhecimento e democratizando o acesso à informação, fazendo chegá-lo aos mais diversos municípios do Brasil.

Para o jornalista Altamiro Borges, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, é preciso agir e jogar luz na discussão. Ele admite que a imprensa alternativa, que vem se fortalecendo nos últimos anos a partir do sites, portais e blogs na Internet, não tem a força dos grandes veículos tradicionais e conservadores. Mas, deixar de fazer algo para mudar o contexto atual é a pior saída.

“É uma briga de David e Golias. Temos pouca munição. Vai ter que jogar pedrinhas. Enquanto eles lutam com a força hegemônica de um canhão, nós temos que usar da inteligência para nos esquivar e atingir o objetivo. É como em uma guerrilha. A outra forma seria não fazer nada, e essa seria a pior coisa”, afirmou Altamiro, que também mantém um blog de notícias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...