quarta-feira, 29 de junho de 2011

O DRAMA DE UM BRASIL ENRUSTIDO



Por Alexandre Figueiredo

Um dos dramas recentes vivido pelo nosso cotidiano é a onda de pretensiosismo que atinge muitas pessoas dotadas de valores conservadores ou mesmo retrógrados que tentam se passar por algum rótulo "mais nobre" para obterem vantagens pessoais ou não ficarem deslocadas diante dos amigos.

Há casos até mesmo de gente mentindo para si mesma, jovens disfarçando seu reacionarismo direitista com falsas adorações à esquerda, gente fingindo tanto que acaba acreditando na sua própria mentira. O que é muito diferente, por exemplo, de mudar de postura.

Afinal, são pessoas de direita que querem a todo custo se acharem "de esquerda". Porque para elas "é mais bonito" ou "é bem legal". Eu cheguei a vivenciar um episódio, digno de um Febeapá (o Festival de Besteiras que Assola o País que Stanislaw Ponte Preta criou e que continua atualíssimo).

Pois eu estava conversando com meu irmão Marcelo em Salvador e reclamamos que muitos jovens alienados pensam que a axé-music irá trazer a "revolução socialista" para os baianos. Um desses playboys enrustidos que andava pelo local ouviu o nosso comentário e fez cara de ironia, como se ele fosse o "esquerdista".

É até um absurdo que tenha havido uma comunidade do Orkut chamada "Chicleteiros de Esquerda", se percebermos que o cantor do Chiclete Com Banana, Bell Marques, é um dos homens mais ricos da Bahia e o grupo é um dos maiores símbolos de capitalismo selvagem relacionado a um conjunto musical, no caso da axé-music, que em si já é um ritmo bastante capitalista.

Mas o enrustimento que toma conta do país não envolve apenas o rótulo "esquerdista", mas tantos outros rótulos que tentam travestir os adeptos do atraso com algum rótulo ou pretexto mais "avançado". É o "travestismo ideológico" que certa vez escreveu o historiador Nelson Werneck Sodré.

Não deixa de ser uma certa falsidade ideológica por parte de muita gente que assume falsas posturas sem saber realmente do que se trata. Esses pretensiosos apenas são dotados de uma capacidade de argumentação relativamente eficaz, ainda que duvidosa e falha em alguns momentos.

Há pessoas que são apegadas ao hit-parade mas que se dizem "alternativas". Pessoas que se dizem "diferentes" querendo ser sempre iguais. Pessoas que se acham de "vanguarda" mas estão na "retaguarda". Pessoas que julgam seu egoísmo com pretextos "humanitários" e "altruístas".

Não seria mais simples que um adepto da música brega-popularesca, por exemplo, em vez de fazer alegações delirantes sobre "cultura popular", dizer apenas que seus ídolos estão perdendo dinheiro com a campanha feita contra eles?

E o que dizer de um machismo enrustido que, no ramo do entretenimento, quer promover as chamadas "boazudas" sob a pretensa imagem de "feministas", procurando dissociá-las o máximo de qualquer presença marital?

Por outro lado, o reacionarismo torna-se latente quando seus defensores, vendo suas "musas" criticadas por alguém, tentam dizer que este está desfazendo a imagem da "mulher brasileira". Afinal, a alegação politicamente correta esconde o dado incômodo de que certos homens só valorizam as mulheres pelo corpo "vitaminado", ainda que usem desculpas "nobres" para defender essas mulheres-objeto, mesmo um simples "vocês não conhecem elas pessoalmente".

Nos últimos tempos, até o termo nerd foi mais uma vítima do "Brasil enrustido". Homens que se enquadrariam mais no perfil de inimigos dos nerds se apropriaram do rótulo e, o que é pior, ainda não gostam quando seu rótulo pseudo-nerd é contestado. Tentam ser preciosistas, achando que "não existe regras para ser um nerd", quando na verdade eles estão forçando muito a barra com sua pretensão.

O pretensiosismo que existe, feito epidemia, no Brasil, faz com que nosso atraso seja camuflado com uma pretensa modernidade. Isso afeta seriamente o nosso entretenimento. O Brasil ainda não superou seu complexo de vira-lata, até o agravou, mesmo com Internet e tudo. Até o Orkut, uma rede social de origem estrangeira mas que estranhamente virou reduto de brasileiros, tornou-se algo brega, cafona, mofado.

Imagine um DJ brasileiro, desses que acham que descobriram o ouro inventando grupelhos de dance music que imitam os genéricos de fora, aparecer num evento estrangeiro de ponta. Certamente vão ver esse DJ como um "jeca" metido a besta.

Por isso o Brasil não vai para a frente. Os enrustidos são muitos e atrapalham nosso caminho, mesmo dizendo-se nosso aliados em qualquer causa mais nobre. Estão mais para puxar o tapete e para brecar nossos avanços. São como que extensões do fisiologismo político no ramo da arte, do comportamento, do engajamento político, da mobilização ideológica.

Pelo menos, em 1964, o enrustimento não era tanto assim. Os enrustidos daquele tempo só falavam em "liberdade" e "democracia" para defender seus valores retrógrados. Mas os golpistas de hoje vão além. Hoje eles são "esquerdistas", "alternativos", "engajados", "diferenciados", "humanistas" e até "nerds".

É bom tomar muito cuidado com pessoas assim. Ovos de serpentes não geram minhocas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...