sábado, 2 de abril de 2011

O PERIGO DE CERTOS "MUI AMIGOS" DA CAUSA PROGRESSISTA


O DEPUTADO JAIR BOLSONARO DEIXOU ESCAPAR SEUS INSTINTOS EXTREMO-DIREITISTAS.

Por Alexandre Figueiredo

Começam a aparecer os efeitos colaterais de uma base de apoio extensa e eclética demais às causas progressistas da Era Lula.

O recente episódio de Jair Bolsonaro mostra um detalhe: o partido do deputado federal e militar, o Partido Progressista, é um partido de direita da base aliada do governo petista. Isso em nenhum momento impediu que Jair disparasse comentários típicos da extrema-direita, como as declarações racistas e homofóbicas do político.

Há vários episódios envolvendo "amigos da causa progressista" que, na verdade, adotam posições reacionárias. O prefeito de Ilhéus que censurou o Blog do Gusmão é do Partido Socialista Brasileiro. A dupla política Sérgio Cabral Filho e Eduardo Paes, do Rio de Janeiro, mandou prender manifestantes que protestavam contra o imperialismo dos EUA.

No âmbito sócio-cultural, a coisa não é diferente. O professor de Belo Horizonte, Eugênio Arantes Raggi, apesar do pretenso (e forçado) esquerdismo, escreve como se fosse um Diogo Mainardi metido a progressista e falando sobre "cultura popular". E o colunista Pedro Alexandre Sanches ainda se comporta como "colunista da Folha" na imprensa esquerdista.

Há mais casos, muito mais. E se verá vários deles na bancada ruralista do Congresso Nacional, gente ligada aos partidos aliados do governo petista. Até mesmo o caso do político baiano Marcos Medrado, que havia sido do mesmo PP de Bolsonaro, mostra-se tão coronelista que destoa de sua atual filiação ao PDT. É, realmente, muito mais fácil juntar Marcos Medrado a Jair Bolsonaro do que a Brizola Neto.

Mas, para piorar, há também o canto da sereia, que faz com que pessoas como Ana de Hollanda e Aldo Rebelo, por exemplo, decepcionem com posições inimaginavelmente conservadoras. Foi assim que Fernando Gabeira, uma figura tradicionalmente esquerdista, migrou para a direita, abraçando José Serra em recente campanha eleitoral, no ano passado.

Aliás, o próprio José Serra, assim como Cabo Anselmo, mostram o quanto as lições históricas do passado indicam preciosas advertências para o presente. José Serra também foi um esquerdista convicto, estando presente no comício da Central do então presidente João Goulart, há 47 anos, mas a ironia da Marcha da Família Unida com Deus pela Liberdade, coincidentemente no dia do aniversário de 22 anos de Serra, só ganharia a adesão aberta do então líder estudantil algumas décadas depois.

Cabo Anselmo, nem se fala. Em 1964, ele era um pseudo-esquerdista que seduzia com seu discurso, falava da direita e mesmo do imperialismo norte-americano como se fossem forças alheias e divergentes ao jovem militar, que bajulava Jango e dizia defender a Reforma Agrária. Anos depois, quem conhecia Anselmo ficou chocado ao saber que ele era agente do governo dos EUA, direitista convicto e inimigo impiedoso de seus próprios amigos e aliados.

Como muitos de nós reagirão quando aqueles pseudo-esquerdistas ou, ao menos, "simpatizantes" das causas progressistas, chutarem o pau da barraca e se declararem direitistas convictos?

O que fazer quando colegas de mesa de bar, que pareciam concordar com quase tudo associado ao ideário da esquerda, dá um pequeno chá de sumiço e reaparece como um raivoso neocon espinafrando tudo aquilo que dizia concordar?

Será possível manter linques para blogues de futuros neocons, depois que eles decepcionam deixando a máscara pseudo-esquerdista cair? Será que não é possível verificar a fragilidade ou a inconsistência de suas posturas "progressistas"?

Uma das maneiras de perceber isso é a memória histórica. Se voltarmos em 1964, veremos que os hoje "amigos da causa progressista" Fernando Collor, Mário Kertèsz e Jaime Lerner eram udenistas de carteirinha, que sentiram alívio quando veio o golpe militar.

Muitos dos políticos que apoiaram o PSDB e o PFL/DEM e hoje vestem a máscara pseudo-progressista, na verdade, nunca abandonaram seus princípios ideológicos, e muitas vezes largaram a ideologia direitista mais explícita por meras divergências pessoais, muitas vezes coisas bobas.

Há também os pseudo-esquerdistas que defendem demais os "sucessos do povão" das emissoras FM "mais populares" (porém controladas por grupos oligárquicos). E pseudo-esquerdistas que forçam demais nos comentários, ora previsíveis, ora bajulatórios, aos ícones da esquerda, ao passo que expressam um distanciamento suspeito dos símbolos e personagens da direita.

O esquerdismo deveria ser uma questão de posturas ideológicas, de um tipo de visão de mundo. Mas no Brasil, o inferno astral do "semancol", o pretensiosismo é usado para a promoção pessoal, para obter vantagens sócio-econômicas, o que requer que tenhamos um nível de discernimento e desconfiança diante de muitos oportunistas.

Afinal, se fosse pela "pose" ou pelo "dizer-se esquerdista", o Brasil seria hoje um dos maiores países socialistas do mundo e o maior do continente americano. Só que não é bem assim.

O esquerdismo muitas vezes é um modismo que traz vantagens momentâneas para quem adere como "simpatizante" - quando aparentemente não se assume de esquerda, mas torna-se seu aliado - ou como "integrado". O oportunista é "de esquerda" enquanto valerem essas vantagens, mas, quando elas perdem sentido para ele, ele volta para a direita, como filho pródigo.

Mas em muitos momentos o direitismo aparece, como o do "simpatizante" Jair Bolsonaro. Às vezes nem dá para esconder, o extremo-direitismo do militar torna-se notório, como tornam-se notórios muitos parlamentares "progressistas" que votam em projetos de lei ou emendas anti-populares, apesar de todo o discurso pró-cidadania etc.

Por isso, devemos sempre tomar muita cautela contra os "mui amigos" da causa progressista. Antes que eles atropelem as reformas sociais e puxem o tapete brasileiro para trás.

Um comentário:

  1. Protesto é uma coisa, Baderna é outra totalmente diferente !!!
    Sei que a voz do povo é a voz de Deus !!!
    mais com ordem e decência.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...