domingo, 9 de janeiro de 2011

O GLOBO DIZ QUE O JABACULÊ "NÃO EXISTE MAIS"


O JABACULÊ SÓ NÃO EXISTE, DE FATO, EM PROFISSIONAIS COMO O DJ MAURÍCIO VALLADARES. DE RESTO, O PROPINODUTO ELETRÔNICO CONTINUA.

Por Alexandre Figueiredo

A velha grande mídia fantasiou o Lobo Mau de vovozinha e depois anunciou a morte do Lobo Mau.

É assim com o jabaculê e outros mecanismos de mídia e indústria cultural. Agora a velha grande mídia, para se passar por "moderna", anuncia que a grande mídia morreu (pelo menos no que se diz ao entretenimento) e que a indústria cultural não existe mais.

Pura balela. História de pescador. Ora, para a imprensa conservadora que comete erros gramaticais e sua linha editorial prefere lançar mão de equívocos e visões delirantes que estejam de acordo com os interesses de poder, é bom não acreditar mesmo que a indústria cultural morreu.

Recente reportagem de capa do Segundo Caderno de O Globo, na edição de hoje - o linque também é disponível aqui - investe no mesmo apelo que a Folha de São Paulo fez em reportagem sobre música e identidade cultural brasileira.

No entanto, o foco é outro. São os programas específicos de rádio FM, de vários estilos, numa abordagem claramente publicitária, em que pese a boa intenção de alguns programas (como o Ronca Ronca de Maurício Valladares, programas de MPB e até mesmo um destacado programa na decadente e esquizofrênica Transamérica Pop, que em seu verdadeiro alzheimer existencial já pensou ser uma "rádio rock" e hoje insiste em soar feito "rádio AM" em alguns horários).

A reportagem exagera dizendo que o rádio FM voltou aos áureos tempos de criatividade. Até porque, muitas vezes, a criatividade atribuída aos programas citados (mas nem todos têm esse mérito, como os da FM O Dia e Beat 98, popularescas e, sim, jabazeiras), cujo repertório nem sempre se transfere para o cardápio diário das emissoras que o transmitem.

Até porque o rádio FM, ultimamente, não está essa maravilha toda. E que está perdendo audiência, sim, como se observa nas ruas. Sobretudo por causa da fórmula mofada do "Aemão", até porque o rádio AM só pega bem mesmo em rádio AM. Se não tecnicamente falando, pelo menos socialmente e historicamente falando.

Mas isso é outra história.

O que queremos dizer aqui é que o jabaculê não acabou. Pelo contrário, até se "profissionalizou" e tornou-se independente da música. Nas FMs, as "jornadas esportivas" (Aemão puro), por seu tendenciosismo e pretensiosismo, já possui um esquema de jabaculê bem maior e que movimenta muito mais dinheiro que o jabaculê musical. Mas, mesmo assim, o famigerado jabaculê musical continua nas FMs, ele apenas deixou de ser exclusivo dessas rádios.

O jabaculê hoje envolve cientistas sociais, jornalistas, envolve outro contexto. As relações de poder dentro da indústria cultural, com a falência de lojas de discos e com a crise da indústria fonográfica - que fez sete grandes gravadoras se converterem em quatro, devido às fusões nos últimos 15 anos - , não deixaram de ocorrer, e é muito discutível que a própria grande mídia, ela mesma um grupo de corporações da Comunicação, insista que a indústria cultural morreu e que agora o sucesso chega diretamente nas "redes sociais" e nos aparelhos de MP3 e similares.

NOVO DISCURSO DA DIREITA APELA PARA USO "INDIVIDUAL" DA TECNOLOGIA

É como se alguém dissesse, em 1990, que a humanidade atingiu a paz mundial com a queda do Muro de Berlim e do Leste Europeu. São teses assim que fazem a fortuna de um Francis Fukuyama através de livros e palestras, e mostram o novo discurso da direita, através da sua abordagem do entretenimento.

É uma retórica que aposta na fragmentação. Não seria, porém, uma retórica da fuga? Na fuga de uma quadrilha, vários membros se dispersam, visando a sobrevivência e dificultando a captura.

Os barões da indústria e os artífices do mainstream tal como conhecíamos até cerca de 15 anos atrás, acuados, tentam fugir e hoje todos dizem agora que o "sucesso" se dá não mais pelos listões nem pela badalação midiática, mas pelas "redes sociais" e pelas novas tecnologias da Internet, superestimando a ação individual.

Sabemos que isso não é verdade. Até agora, não se comprovou que as "redes sociais" são, por si só, determinantes para o sucesso de alguém na mídia. Pelo contrário, é a grande mídia que, divulgando com muita frequência a "façanha" de alguma pessoa nas "redes sociais", como Twitter, YouTube e Facebook (parece que o Orkut, estranhamente um reduto de brasileiros, ficou fora de moda), determina o seu sucesso.

Ou seja, se as "redes sociais" determinam o sucesso de alguém na Internet, nunca é de forma direta. Esse sucesso depende da projeção dos veículos tradicionais da grande mídia. Além disso, é para desconfiar esse oba-oba que a própria grande mídia faz, que mais parece uma autoreverência às avessas, um sarro de si mesma, dentro do estilo pop.

Afinal, a grande mídia, ao anunciar, no âmbito do entretenimento, a sua própria morte, ela na verdade anuncia seu renascimento dentro de um outro contexto. As relações não se dissolvem, e não é possível, nem sequer provável, que os barões da mídia do entretenimento queiram abrir mão de seus privilégios de décadas, assim de bandeja, e entregar as rédeas do show business (talvez não com esse nome) a um grupo de garotões que criaram seus sítios de relações sociais na rede.

Enquanto as plateias brasileiras vão dormir tranquilas porque Globo e Folha anunciaram que a indústria cultural morreu, nos bastidores as relações de poder da nova indústria cultural herdam vários aspectos e indivíduos da fase anterior. Essa fase não se extinguirá, todavia. Ela se transformará. Como está se transformando.

É bom que muitas pessoas se preparem para as novas armadilhas do showbiz e do jabaculê atual. As relações de poder não terminaram. Gravadoras aparentemente pequenas herdarão a selvageria mercantilista das grandes multinacionais. A indústria cultural apenas se tornará mais regional, se fragmentará em núcleos locais, o que não significa uma ruptura na lógica ditada pelos grandes centros.

Portanto, é melhor acreditar que nada, essencialmente, mudou. A retórica otimista sonha demais. O mercado é traiçoeiro. O jabaculê, a indústria cultural, a grande mídia do entretenimento e seus barões continuam. E eles podem continuar tomando as rédeas do showbiz, por mais que tenhamos Twitter, Facebook, YouTube e iPod.

4 comentários:

  1. Se a industria cultural tivesse acabado, não teríamos essa musiqueta tosca que tola na mídia, além de termos músicas mais cerebrais estourando nas paradas.

    Vendo o cenário cultural atualmente, dá para perceber que nada mudou nas relações de poder impostas pela mídia. Apenas mudaram as regras do jogo, sem acabar com o jogo.

    ResponderExcluir
  2. Só tenho algo a acrescentar ao texto. As grandes gravadoras, hoje, são cinco, não quatro: Sony, Universal, EMI, Warner e Som Livre. E, como bem anotado, várias das outras não fogem do mesmo modus operanti predatório das grande cinco.

    ResponderExcluir
  3. Eu sei, Marcelo Delfino. Mas eu estava me referindo às multinacionais. A Som Livre é uma grande gravadora, sim, mas no âmbito nacional, apesar de existir a Globo International, comandada pelo marido de Patrícia Poeta.

    ResponderExcluir
  4. Será que criaram uma gravadora Globo International e eu não fiquei sabendo?

    O que sei é que existe uma Globo Internacional, mas não é uma gravadora. É um canal de TV à la carte que exibe a mesma grade da programação da Globo aberta do Brasil, com exceção de coisas sobre as quais a Globo só tenha direito de exibir no Brasil, como filmes estrangeiros, seriados estrangeiros e mesmo o famigerado BBB. Estes programas são substituídos na Globo Internacional por reprises de produções da própria Globo.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...