domingo, 5 de dezembro de 2010

WIKILEAKS, HONDURAS E A MÍDIA GOLPISTA


SOLDADO IMPEDE JORNALISTA DE COBRIR SITUAÇÃO EM HONDURAS, DURANTE O GOLPE.

COMENTÁRIO DESTE BLOG: Julian Assange tornou-se o anti-herói da era digital. Não um antônimo de herói, mas um homem que desafiou a geopolítica internacional, divulgando segredos de Estado. É uma atitude de risco, que o faz ser perseguido pelas polícias internacionais, além de causar uma crise diplomática séria. Certamente a atitude de Julian não fez acabar a desordem mundial, pelo contrário, é através do agravamento dessa desordem que a sociedade, sabendo dos segredos das autoridades do Primeiro Mundo e suas preocupações acerca de si e das demais nações do planeta, irá questionar melhor o Imperialismo e suas manobras, armadilhas e interesses secretos.

Aqui o assunto destaca o golpe militar ocorrido ano passado em Honduras.

WikiLeaks, Honduras e a mídia golpista

Cynara Menezes - Revista Carta Capital

Há uma revelação, entre as tantas que estão vindo à tona com a divulgação dos telegramas confidenciais das embaixadas dos Estados Unidos no mundo pelo site WikiLeaks, que me deixou particularmente satisfeita. Trata-se da admissão oficial pela diplomacia americana de que o que viveu Honduras em junho do ano passado foi um golpe de Estado. G-O-L-P-E, em português claro, como escrevemos em CartaCapital. Em inglês usa-se a palavra francesa “coup”. Ninguém utilizou o eufemismo “deposição constitucional” a não ser os pseudodemocratas locupletados em setores da mídia no Brasil.

É a mesma gente que, quando o governo Lula fala da intenção de regular a mídia, vem com o papo furado de que está se querendo cercear a liberdade de expressão. É o mesmo pessoal que ataca cotidianamente um líder democraticamente eleito e reeleito com palavras vis, mas que, ao menor sinal de revide verbal, protesta com denúncias ao suposto “autoritarismo”do presidente. Jornalistas, vejam só, capazes de ir lamber as botas dos militares em seus clubes sob a escusa de que a democracia se encontra “ameaçada” em nosso país.

Pois estes baluartes da liberdade de imprensa e de expressão no Brasil foram capazes de apoiar um regime conquistado pela força a pouca distância de nós, na América Central. Quando Honduras sofreu o golpe, estes falsos democratas saíram em campo para saudar o auto-empossado novo presidente Roberto Micheletti, que mandou expulsar o eleito Manuel Zelaya do país, de pijamas. Dizem-se democratas, mas espinafraram Lula e seu ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, por se recusarem a reconhecer um governo golpista. Quem é e quem não é democrata nessa história toda?

Não se engane, leitor. Disfarçados de defensores da democracia, estes “formadores de opinião” são na verdade carpideiras do regime militar. Choram às escondidas de saudades dos generais. Quando se colocam nas trincheiras da “liberdade de expressão” contra o governo, na verdade estão a tentar salvaguardar o monopólio midiático de seus patrões, não por acaso beneficiados pela ditadura. Dizem-se paladinos da imprensa livre, desde que seja aquela cevada pelas graças do regime militar. Não à toa, elogiam quem morreu do lado dos generais e difamam quem foi torturado e desapareceu lutando contra a ditadura.

As carpideiras do golpe se disfarçam sob a máscara dos bons moços, cheios de senso de humor “mordaz” (alguns humoristas de profissão, inclusive) e pretensamente bem formados intelectualmente. Mas não é difícil identificá-las: fique de olho em gente que diz que “todo político é igual”, que despreza o brasileiro com declarações do tipo “somos todos Tiriricas” e que prega o voto nulo nas eleições. Repare bem: prescindir do voto é abrir mão de ser cidadão. Na ditadura, não se votava, lembra? As carpideiras do regime militar tentam se conter, mas volta e meia se traem.

É mais fácil reconhecer uma carpideira dos milicos em tempos de guerra do que de paz. Durante as eleições, foi só surgir a polêmica sobre a descriminalização do aborto que elas mostraram a verdadeira face, erguendo a bandeira da ala mais obscurantista da igreja católica. Com a invasão policial dos morros cariocas no fim de semana, a mais “tchutchuca” entre todas as carpideiras da ditadura teve a desfaçatez de postar no twitter: “E se o BOPE, a Polícia e as Forças Armadas, depois da operação no Rio, fossem limpar o Congresso Nacional?” Nenhum respeito às instituições: é dessa matéria que se fazem os golpistas.

Se foram capazes de colocar o presidente Lula, do alto de sua popularidade, em capa de revista com a marca de um pé no traseiro, é de se presumir que as carpideiras do regime militar não darão trégua a Dilma Rousseff. Já começaram por escarafunchar seu passado de guerrilheira. Que ninguém se engane, as carpideiras estão à espreita. Esperam um deslize qualquer de Dilma para tentar defenestrá-la. Estão louquinhas por uma “deposição constitucional” como a que houve em Honduras, porque jamais admitirão ser o que são: groupies de ditadores. Os papéis do Wikileaks deixam claro, porém, que nem os Estados Unidos se enganam mais com golpistas.

2 comentários:

  1. Governantes eleitos não devem ser derrubados sob pretexto algum. Seja constitucionalmente ou não. Ainda que estejam fazendo governos decepcionantes ou mesmo medíocres, eles têm que ficar no Governo até o fim, pros eleitores otários aprenderem a votar. Nada de golpismos.

    A propósito: o também presidente eleito FHC (tão eleito como Lula e Dilma) enfrentou protestos como "Fora FHC". Eu mesmo vi vários desses protestos. Vi muitos dos atuais governistas nestes protestos. Isso também não era golpismo?

    Golpismo não pode depender de uma visão política. Golpismo é sempre golpismo, não importa de que lado está.

    ResponderExcluir
  2. Sobre o artigo da Carta Capital: os amigos do rock nacional que sempre pregaram o voto nulo são golpistas?

    http://www.youtube.com/watch?v=h3ku-pzLGR0

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...