segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A NOVA CLASSE MÉDIA



COMENTÁRIO DESTE BLOG: A classe média brasileira, atualmente, se destaca por ser mais jovem, por ter expressivo poder de compra e pela movimentação da nossa economia. As informações são do instituto Data Popular, divulgadas por Luís Nassif.

A nova classe média

Por Luís Nassif - Blog do Nassif - Coluna Econômica

Nos últimos anos, o Instituto Data Popular se transformou em uma das melhores referências do país sobre a nova classe média.

A nova classe média veio para ficar devido a um conjunto de fatores estruturantes, diz Renato Meirelles, sócio diretor do Data Popular.

O primeiro, é a juventude nas classes C, D e E. Fala-se muito no chamado "bônus demográfico" brasieiro – isto é, em um período extremamente favorável em que a maior parte da população estará integrando a população economicamente ativa.

Só que esse bônus varia de acordo com as faixas de renda. Nas classes A e B haverá um envelhecimento crescente. Nas classes C e D, preponderância dos jovens.

Na classe A os jovens até 16 anos representam 17% da população; entre 17 e 30 anos, 24%; entre 31 e 40 anos, 12%; entre 41 e 60, 35% e acima de 61 anos, 12%. Na classe E, até 16 anos representam 45%; e, acima de 61 anos, apenas 2%.

As implicações são interessantes.

Na faixa dos 1% mais ricos, os pais ganham dez vezes mais que os filhos. Na nova classe média, apenas duas vezes mais. Com isso, são os mais jovens que influenciam as decisões de consumo das famílias. Na classe A, apenas 10% dos jovens estudaram mais do que os pais. Na classe C, 60%.

Esse desenho muda tudo no jogo político, de consumo e educacional, diz Renato.

***

Para essas essas classes, o consumo tem um papel simbólico dos mais relevantes. Eles passarão a ditar as tendências, porque – ao contrário dos jovens das classes A e B – além do conhecimento recém-adquirido trarão um componente de luta e determinação novos.

Um dos depoimentos colhidos pelo Instituto: "Cresci aprendendo muito. Aprendi na rua, aprendi em casa e com o que estou aprendendo na faculdade vou poder fazer tudo novo. Do meu jeito, com a minha cara e os meus valores".

Entre esses valores está o sentido que trazem ao ato do consumo. Para essa nova classe, o consumo traz o sentido de inclusão social – ou, para usar um termo do sociologuês, de "pertencimento". O segundo, porque representa a bóia capaz de tirá-los definitivamente do universo das restrições. Encaram também como oportunidade e investimento. Finalmente, a satisfação de necessidades e sensação imediata de prazer.

***

Entender esse novo consumidor abre um campo enorme para os novos negócios.

A classe C responde por 54% das vendas de calçados no sudeste, 55% no sul, 57% no centro-oeste, 62% no nordeste e 62% no norte. Em viagens, já responde por 51% das despesas no nordeste a 34% no sudeste.

Nos serviços financeiros, detêm 60,2% das contas correntes, 61% dos cartões de crédito, 57,8% das contas de poupança, 63,6% dos planos de saúde, 61,9% dos seguros.

***

Segundo as conclusões do Data Popular, essa nova classe média já movimenta R$ 834 bilhões por ano (contra R$ 216 bi da classe A e R$ 329,5 bi da classe B); responde por 87% da população, 76% do consumo, 69% dos cartões de crédito e 82% dos internautas.

O depoimento de uma consumidora classe C dá o fecho para o estudo: "Comprar é perceber que todo nosso esforço vale à pena, que dá para agradar todo mundo, ficar de bem com a gente mesmo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...